Sep 28, 2015, 2:27 PM

Febvre faz história com o sucesso em Assen pelo FIM World Championship

O GP da Holanda, 16º round de 18 da MXGP em Assen vai ficar para sempre marcado nas memórias de Romain Febvre e da Yamaha Factory Racing Yamalube.

A segunda posição no geral rendeu o 11º pódio consecutivo e garantiu o primeiro campeonato mundial da MXGP FIM Motocross para o francês de 23 anos e o primeiro para a Yamaha desde 2009 quando entrou para a divisão de elite.

Uma enorme quantidade de trabalho e areia foram colocados nas instalações da corrida em menos de uma semana para construir um layout curto, estreito e extremamente sinuoso. A natureza dura da pista dificultou os julgamentos em alguns momentos. 

No sábado foi Jeremy Van Horebeek que estava com tudo. O belga foi veloz nos treinos livres e nem mesmo uma forte queda no treino cronometrado abalou seu ritmo e confiança. Ele levou sua YZ450FM para o 2º lugar na classificação e estava pronto para as duas baterias do domingo, cada uma com 32 minutos e 2 voltas. Febvre teve uma largada ruim, mas estava pilotando bem e rapidamente pulou para o 4º lugar. 

O grande dia estava ensolarado e quente e com 37.000 espectadores procurando um lugar nas enormes arquibancadas que formam o setor oeste da pista, se alinhando quase todos unicamente deste lado. 

Na primeira bateria nem Febre e nem Van Horebeek conseguiram a ponta na primeira curva. Febvre foi para o ataque, mas encontrou um grande "obstáculo" na forma do favorito correndo em casa, Glenn Coldenhoff. Ambos pilotos ultrapassaram Max Nagl, mas Febvre não conseguiu ultrapassar o holandês e cruzou a linha em 5º com o rival pelo título Gautier Paulin terminando em segundo. Van Horebeek teve mais problemas ainda, lutando no pelotão intermediário, conseguiu subir do 11º lugar na primeira volta para terminar em 7º. 

Febvre tinha que terminar na frente de Paulin para terminar a série com dois rounds de antecedência na 2ª bateria. Uma largada muito melhor na 2ª posição e então uma caça ao líder Evgeny Bobryshev deixou o número 461 na ponta e com o controle da prova. Paulin ficou enterrado entre os 10 primeiros e só conseguiu terminar em 4º. Febvre começou a comemorar depois de cruzar a linha de chegada por sua 12ª vitória, já que passou a ter 102 pontos de vantagem com apenas 100 pontos em disputa nas próximas provas de 2015. Jeremy forçou para cima do que poderia ser o vencedor geral Shaun Simpson pelo 3º lugar em um certo ponto da prova, mas duas pequenas quedas o colocaram em outra 7ª posição, onde ele terminou o dia na classificação geral. 

Com a briga pelo 1º lugar concluída na competição de MXGP, agora Febvre pode passear nos próximos GPs do ano. Van Horebeek é o 7º e está 20 pontos atrás de Max Nagl. David Philippearts da DP19 Yamaha Racing tentou competir na Holanda, mas ainda não está em plena forma depois da lesão no braço esquerdo, agravada no final de semana anterior em Mantova. 

A MXGP agora tem mais duas paradas e vai sobrevoar o Atlântico para a dura prova de Leon no México e então vai até as belas colinas de Glen Helen na Califórnia, concluindo os 18 rounds da temporada 2015. 

Romain Febvre
5º e 1º por 2º no geral. 
Posição no campeonato: campeão mundial

"Comecei devagar no sábado, mas consegui muita velocidade já na classificação. Eu sabia que com boas largadas eu poderia estar no pódio novamente e esse era o objetivo. Eu também sabia que se terminasse na frente de Paulin então o campeonato estaria decidido. Não aconteceu na primeira bateria, mas minha largada foi muito melhor na segunda e eu consegui passar todo mundo para vencer o campeonato mundial de 2015! Agradeço muito a todos. A equipe fez um ótimo trabalho e me deu a chance no inverno passado, por isso estou muito feliz. " 










Jeremy Van Horebeek
7º e 7º por 70 no geral. 
Posição no campeonato: 7º

"Em primeiro lugar estou muito feliz por esta equipe. Tivemos muito sucesso por 2 anos; comigo no ano passado e neste ano com Romain. Esta temporada foi ruim para mim, mas isso não importa. Todo mundo passa por isso em algum momento. Hoje foi mais ou menos. Na primeira bateria eu fui muito mal e na segunda fui melhor. Estava lutando com Shaun pelo 3º lugar e me sentia bem na moto, mas quando forcei demais acabei derrapando. Peguei a moto e perdi muita energia tentando recuperar o ritmo, e então caí de novo. Eu estava em 7º e alcançando Nagl e Paulin mas não tinha mais forças. Em pistas como essa é muito difícil com a minha lesão nas costas e a dor nos músculos, mas isso não é uma desculpa. Estou só feliz por esta equipe. É um dia maravilhoso para eles. " 

 

 

 

 

Fonte: yamaha-motor.com.br

Grand Vitara 4Sport aposta em lado off-road do SUV YAMAHA APRESENTA NOVA LANDER 250 2016